ESG: o papel essencial das empresas no presente e futuro sustentável

Saiba mais sobre essa métrica que está guiando as decisões empresariais.

Desde o início dos anos 2000, as empresas cada vez mais entendem os pilares ambiental, social e de governança como fundamentais para sua sobrevivência. Se antes o foco era apenas no resultado financeiro a curto prazo, puro e simples, os investidores começaram a perceber que boas práticas ambientais, sociais e de governança começaram a ser notadas por seus consumidores e investidores e é aí que surgiu a métrica ESG, sigla em inglês que significa Enviromental, Social and Governance. Abaixo nós vamos apresentar o que significa cada letra dessa métrica e exemplos de ações em cada uma dessas áreas.

E – ENVIROMENTAL / AMBIENTAL

Se refere às questões ambientais que afetam o seu negócio, como: poluição do ar e da água; emissão de gases estufa; desmatamento; pegada de carbono. 

Além da importância ecológica que decisões benéficas ao meio ambiente têm para a sobrevivência da humanidade. Se uma grande mineradora causa um acidente ambiental grave, além do dano ambiental à fauna e à flora da região, há o dano social causado às famílias locais e o prejuízo financeiro causado a seus investidores com multas e indenizações decorrentes dessa ação.

Se uma empresa não entende que o consumo está cada vez mais sustentável, como poderá persuadir os clientes a consumirem seus produtos?

S – SOCIAL / SOCIAL

Se refere às questões sociais de seu negócio, como: impacto social da sua empresa naquela região; satisfação dos clientes; relações trabalhistas com os colaboradores; diversidade da equipe; engajamento dos funcionários. 

Se uma empresa de moda utiliza trabalho análogo a escravidão, o custo humanitário que ela causa aos trabalhadores daquela região é enorme e, atualmente, os custos financeiros também, pois os danos à imagem da empresa são muito graves afetando, inclusive, a decisão de compra do consumidor final.

Se uma companhia hoje não entende que seu corpo de colaboradores, inclusive, os tomadores de decisão, deve refletir a diversidade existente na sociedade, ela dificilmente entenderá os gostos de seu cliente final e, provavelmente, não terá um bom desempenho em seu negócio. 

G – GOVERNANCE / GOVERNANÇA

Se refere às questões de governança de seu negócio, como: transparência, relação com entidades do governo; conduta corporativa; composição do conselho da empresa. 

Se um CEO coloca despesas pessoais como gastos da empresa, os sócios minoritários acabam por também pagar essa conta, sendo algo danoso a empresa e a futuros investidores.

Se os sócios minoritários não têm acesso de forma transparente e em tempo real às receitas e despesas da empresa, o negócio se torna nebuloso e, portanto, menos interessante para novos investidores.

EU VOU PERDER DINHEIRO SE INVESTIR EM ESG?

Em 2022 a Infosys fez uma pesquisa com 2500 executivos, englobando mais de 12 setores da indústria e cobrindo 8 regiões do planeta, para saber se o investimento em ESG gerou retorno financeiro positivo para a empresa. Os dados foram compilados no relatório “ESG Redefined: From Compliance to Value Creation” (“Redefinindo o ESG: do Compliance para Criação de Valor”, em tradução livre”) e mostraram que 90% dos entrevistados responderam positivamente ao questionamento, acrescentando que um aumento de 10% no investimento em ESG, resulta em aumento de 1% nos lucros da empresa como um todo.

COMO A ATMMOS PODE AJUDAR A MINHA EMPRESA A MELHORAR NA MÉTRICA ESG?

Um dos pontos principais da métrica ESG são as questões relacionadas ao meio ambiente e, dentro delas, a ATMMOS tem papel fundamental na solução desse problema.

A ATMMOS surge como um mecanismo para ajudar empresas a compensar seus impactos ambientais. De forma fácil e prática, qualquer companhia poderá identificar, mensurar e compensar seus diversos impactos negativos, tais como emissões de carbono e geração de resíduos. Essa compensação é feita através da aquisição de créditos de carbono e reciclagem. Para mais informações acesse o nosso site.